segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Educação para a Sexualidade - EMEF "Plácido de Castro" - Município de Tucuruí.


Acadêmicos Lauro Fábio, Gilvander Dias e Paulino Vieira(esq p/ dir).

A sexualidade normalmente manifesta-se antes da adolescência, por meio da masturbação praticada por meninos e meninas. Na adolescência há uma evolução sexual, quando o conhecimento e o desenvolvimento do aparelho genital estimulam a prática do sexo e leva à escolha de um parceiro.

De início, de forma tímida e superficial, mas aos poucos progride no sentido de maior intensidade e busca de intimidade, tornando o adolescente sexualmente ativo. A educação sexual deve ser iniciada na família e na escola desde o ensino fundamental e reforçada nos períodos posteriores, principalmente na adolescência. Deve ser dada ênfase aos cuidados com a higiene do corpo e ao comportamento sexualmente responsável, com a prevenção das doenças sexualmente transmissíveis e com o uso de práticas contraceptivas, além de se abordar outros pontos, às vezes polêmicos, como masturbação, namoro, aborto, homo e heterossexualidade e atitude pornográfica.

A iniciação sexual precoce tem sido motivo de preocupação da família e da área de saúde. Ocorre devido à falta de orientação segura por parte de todos os responsáveis pela educação do adolescente nos diferentes espaços. Tal procedimento tem ocasionado graves conseqüências tanto físicas quanto psíquicas para ele e tem levado, em número crescente de casos, à gravidez indesejada, à promiscuidade sexual e ao aborto.

Palestra, esclarecimentos de dúvidas, orientações e apresentação de vídeo educativo, por acadêmicos de enfermagem (Lauro, Paulino e Gilvander) à alunos da 5ª série da EMEF "Plácido de Castro" dia 11 de fevereiro de 2010 pela manhã.


Segundo os PCN, “A sexualidade humana deve ser considerada nas diferentes fases da vida, compreendendo que é um comportamento condicionado por fatores biológicos, culturais e sociais, que tem um significado muito mais amplo e variado que a reprodução, para pessoas de todas as idades. É elemento de realização humana em suas dimensões afetivas e sociais, que incluem mas não se restringem à dimensão biológica.” (...) “As questões sobre sexualidade, que muito provavelmente surgirão, merecem ser trabalhadas. Assuntos como a construção da identidade sexual, o prazer, a masturbação e demais aspectos são abordados levando-se em conta os componentes biológicos e culturais. É importante que o professor esteja atento e explicite os aspectos culturais envolvidos, buscando evitar preconceitos e responder dúvidas, valorizando os vínculos entre afeto, responsabilidade, sexualidade e auto-estima. É também da maior importância que o grau de maturidade psíquica e biológica da classe seja parâmetro no aprofundamento das respostas ou investigações acerca desses assuntos.”

Fonte: Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais : ciências naturais / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília : MEC/SEF, 1997.
Fonte: Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação
na Saúde. Projeto de Profissionalização dos Trabalhadores da Área de Enfermagem. Profissionalização de auxiliares de enfermagem: cadernos do aluno: saúde da mulher, da criança e do adolescente / Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Departamento de Gestão da Educação na Saúde, Projeto de Profissionalização dos Trabalhadores da Área de Enfermagem. - 2. ed., 1.a reimpr. - Brasília: Ministério da Saúde; Rio de Janeiro: Fiocruz, 2003.

Nenhum comentário:

Postar um comentário