sábado, 3 de abril de 2010

O Santo Sudário em 3D



Uso de computação gráfica permite ver novos “ângulos” do rosto impresso no santo sudário

Artistas recriam traços que uns contestam e outros acreditam ser os de Jesus sob o manto de linho

Um dos grandes mistérios da história, a aparência de Jesus voltou a ser tema de debate, com a divulgação de uma nova tentativa de recriar seu rosto. Com a ajuda de programas de computador, artistas gráficos conceberam, em terceira dimensão, os traços do Santo Sudário. A peça de linho é tida como a que cobriu o corpo de Cristo após sua crucificação, mas desperta dúvidas e contestações no mundo científico.

Especialistas em computação gráfica usaram novas técnicas digitais para “esculpir” na tela do computador o rosto visto no santo sudário, que, para muitos cristãos, representa a face real de Jesus Cristo. O trabalho será apresentado amanhã no documentário “The real face of Jesus?”, transmitido nos Esta­­dos Unidos pelo canal a cabo Dis­­covery Channel. Ainda não há previsão sobre a data de exibição no Brasil.

Para adaptar a imagem do Sudário ao formato 3D, os artistas tiveram acesso à relíquia original. O tecido de linho pertence ao Vaticano e fica guardado na Cappella della Sacra Sin­­done do Palácio Real de Turim, na Itália.

Ray Downing, um dos profissionais envolvidos no projeto, relata ter encontrado marcas no tecido capazes de revelar em detalhe o corpo da pessoa que foi enrolada nele. Segundo a tradição cristã, o santo sudá­­rio foi o tecido com o qual Jesus Cristo foi enterrado, mas sua autenticidade é debatida há anos por cientistas. “A presença de dados em três dimensões é bastante inesperada e também é única. É como se a imagem contivesse um ma­­nual de instruções sobre como se construir uma escultura”, diz Downing.

Exibição

O santo sudário raramente é exibido ao público. Entre os dias 10 e 23 de abril, a Catedral de Turim deve fazer a primeira exposição da peça em 10 anos. O evento deve contar com a pre­­sença do Papa Bento XVI e atrair milhões de pessoas.

Fonte: http://zerohora.clicrbs.com.br